segunda-feira, 14 de março de 2011

Alimentação e Nutrição - 1ª parte

A saúde do cão depende fundamentalmente de uma alimentação correta. Diversas doenças comuns são em parte causadas por uma nutrição inadequada. Alimentação e nutrição não são sinônimos. Há uma diferença enorme de significado entre elas. Quando falamos em alimentação , nos referimos ao simples fato de comer , independente da qualidade do que é ingerido. Já a nutrição é suprir as necessidades do corpo , com qualidade certa de cada substância. Portanto, devemos fornecer alimentos nutricionalmente equilibrados e desenvolvidos para cada fase de vida ( crescimento, adulto , senior, gestante, etc ), o tamanho da raça ( pequeno , médio , grande ou gigante) , nivel de atividade fisica ( baixa, media ou alta) ou estado de saúde ( diabetico , cardiopata , etc ) do cão .
Cada vez mais há uma preocupação com as especificidades raciais, observando as raças e compreendendo suas particularidades morfológicas , fisiológicas e comportamentais. Desta forma podemos prevenir ou corrigir problemas particulares de cada raça.  Por exemplo, cães da raça grande têm um aparelho digestivo muito sensível e ao menor estresse pode ocasionar o amolecimento das fezes ou diarreias. Há variações da tolerância digestiva em função do tamanho , isto é , porque , para um mesmo alimento , um cão de porte pequeno terá melhor digestão do que um cão de porte grande. O cão de porte grande necessita de alimentação particularmente digerível e suficientemente energética para evitar refeições volumosas. Algumas raças são menos tolerantes a altos níveis de carboidratos , isso é mais comumente visto nas raças articas (Malamutes do Alasca e Huskies Siberianos).


 "Falls Creek"  foto de Charlie Brown 

 O que um cão come deve, obviamente, ser proporcional ao nível de atividade . Uma dieta para manter um cão ativo em boa condição física é preciso adaptar a densidade energética do alimento às suas necessidades.
Um cão de trenó em percurso de longa duração pode multiplicar sua necessidade energética de manutenção por 8.5!! Um cão de trenó no seu habitar necessita de uma alimentação gordurosa para lutar contra o frio e fazer um trabalho intenso. Um cão da mesma raça que não tem este nível de atividade , e não vive num clima tão frio , não será aconselhado pelo veterinário receber a mesma alimentação."Eles precisam de dieta rica em gordura e proteínas, que seria desbalanceada para cães que não praticam esse tipo de exercícios". (Musher Kathy Frost).



Oliver's Snowolf Qilaq

Até que atinja o tamanho e o peso de adulto, o cão tem necessidades alimentares especificas que devem ser satisfeitas. Do crescimento depende o desenvolvimento harmonioso do esqueleto e da musculatura bem como grande parte da condição física do cão. Os filhotes necessitam de refeições menores, dadas com mais frequentes. A porção diária do filhote deve ser dividida em três ou 4 vezes ao dia , até que tenha seis meses e , a partir de então, divida a porção diária em duas refeições. É preferível manter este sistema de dividir a porção diária em duas refeições mesmo adulto. Nesta fase de crescimento é importante que um veterinário avalie o peso corpóreo, e a condição corporal, e prescreva a quantidade de alimento a ser dado. No primeiro ano de vida é fundamental que os cães tenham o peso ideal.  Em alguns sites da raça é recomendado manter o filhote magro durante seu primeiro ano de vida. Isto significa que você deve ver a definição da caixa torácica, mesmo com seu casaco pesado , você deve sempre ser capaz de sentir as costelas. A alimentação excessiva em filhotes leva ao excesso de peso sobre um esqueleto ainda frágil, podendo levar a problemas nas articulações e ósseos. Qualquer excesso alimentar pode ocasionar a fermentação intestinal juntamente com uma digestão incompleta, que acarretam uma eliminação rápida do conteúdo digestivo. Portanto lembre-se, a capacidade digestiva do filhote é limitada e ,se for ultrapassada, a sobrecarga dará origem a diarreias. Assim ,deve-se ter cuidado com a gulodice deste cedo na raça! !Nós proprietários também  temos de nos controlar, estamos sempre querendo agradar estes pequeninos e ficamos dando guloseimas o tempo todo. As vezes , ficamos pensando que estão famintos , e eles sabem direitinho pedir mais comida ou guloseimas de uma forma irressistivel!! Pois saiba que esse comportamento foi herdado de seus ancestrais, que tinham comida escassa e não sabiam quando poderiam jantar a próxima caça.
Não é bom mudar o alimento do seu cão no primeiro ano de vida. A mudança do regime alimentar também é uma causa frequente de diarreia nos cães jovens, menos tolerantes do que os adultos as variações. Se possível, continue alimentando o que o criador dava ou de algo similar. Não é uma boa ideia experimentar comidas diferentes. Toda modificação nutricional deve ser feita progressivamente,a fim de que o cão se adapte sob os aspectos gustativos,digestivo e metabólico para dar tempo para que as microflora intestinal se reconstitua especificamente para digerir o novo alimento. Também é aconselhado iniciarmos a alimentação para cães adulto mais cedo. Mesmo que o Malamute seja considerado adulto aos 18 meses. A maioria dos proprietarios e criadores mudam gradualmente os alimentos de filhotes para alimentos de cães adultos no período 8 a 10 meses. Pesquisas indicam que a alimentação para filhote dado por muito tempo , pode aumentar a incidência de displasia coxofemoral em cães com predisposição a este problema de saúde. Discuta com o criador e o seu veterinário qual é a melhor época para introduzir alimentação de adulto. E atenção!! A suplementação anárquica de cálcio é particularmente perigosa para o filhote de raça grande, só de após uma avaliação medica veterinária.
Estabelecer hábitos alimentares rotineiros alimentando um filhote no mesmo lugar e à mesma hora todos os dias é recomendável e pode ajudar a treiná-lo a se comportar bem em sua casa. Oferecer alimentos humanos da mesa não é recomendável porque isto encoraja o animal a pedir comida toda vez que vê alguém na mesa.
Cães da raça Malamute do Alasca não precisam de quantidades colossais de alimentos ,estes cães tem um metabolismo bastante particular que permite economizar energia ao máximo. Geralmente , eles precisa de menos comida comparada a outras raças do tamanho grande. Estes cães evoluíram em ambientes duro e implacável , onde a comida era escassa, e, como resultado , seus corpos se adaptaram para processar os alimentos de forma muito eficiente. Cães de trenó pode extrair uma porcentagem relativamente alta da energia e nutrientes de seu alimento em comparação com outras raças. Frequentemente as instruções de alimentação fornecida pelos fabricantes de alimentos comerciais irá sugerir mais alimentos do que o necessário para este tipo de cão, geralmente estas rações não são para raça específica.

Canil de Malamute do Alasca Firewalker

A maioria dos Malamutes amam comida! Você pode até ser enganado e pensar que estão famintos! Eles são muito bom em implorar por mais alimentos! Alguns malamutes até mesmo desenvolvem técnicas para pedir mais comida. São otimos atores! Também não perdem a oportunidade de rouba-las. Malamutes não vão parar de comer e isso pode levar a problemas sérios de saúde! Claro que você não vai dar o que ele quer. É muito importante saber certo a quantidade diária a ser dada ao seu Malamute.
"Cada raça de cão tem seu próprio conjunto de exigências nutricionais.Este conjunto único de exigências nutricionais foram passadas de geração em geração. Não podemos mudar a composição genética dos animais que se alimentam apenas expondo a uma dieta diferente em uma pequena quantidade de tempo. Portanto, é sugerido que os Malamute se alimente de fontes de nutrientes que são semelhantes aos encontrados no ambiente nativo de seus ancestrais ( fontes que não são estranhos aos sistemas digestivo e glandular do Malamute do Alasca e que são fáceis para eles assimilarem) , obtendo um equilíbrio de proteínas, carboidratos, ácidos graxos, vitaminas e minerais que correspondem a necessidades nutricionais específicas da raça , aquelas que tenham sido passados por seus ancestrais.O malamute do Alasca originária da região do Ártico , por muitos anos, esta raça do cão se baseou nos alimentos comuns da região, como a carne de baleia, salmão, carne de foca , peixes (halibut).Tais alimentos são difíceis de encontrar , inclusive em alimentos comerciais. Hoje, a dieta recomendada para o malamute do Alasca é uma combinação de arroz, cordeiro, aves e peixes. Estas quatro fontes de alimentação fornecem alto conteúdo de minerais, bem como os óleos naturais que são essenciais para um saudável malamute do Alasca. É a base de uma dieta ideal para os malamutes. As piores misturas de alimentos para a raça são os produtos alimentares à base de soja, milho, polpa de beterraba, carne bovina e subprodutos de carne." "What to feed an Alaskan Malamute" , escrito por W.D. Cusick (perito em nutrição de cães e autor de livros sobre este tema).




Quando um cão atinge a maturidade, ele entra no período de manutenção. Os animais saudáveis e que não estejam, gestante, amamentando , trabalhando ou é um cão desportista ; têm necessidades nutricionais relativamente baixas para manter um estado corporal apropriado. Um bom estado corporal é aquele em que o animal está bem proporcionado, com uma cintura perceptível atrás das costelas, podendo-se, ao apalpá-las, sentir uma fina camada de gordura sobre elas. Assim como acontece com os seres humanos, o apetite de um cão pode variar de dia para outro. Isto não deve constituir nenhum problema, a menos que a perda de apetite persista por mais de dois dias ou se o cão apresente sinais de doença ou perda de peso. Nestes casos, leve o cão a um veterinário.





O cão idoso tem o seu metabolismo mais lento e a sua necessidade calórica diminui. Seu nível de atividade também é reduzido e isso pode levar a obesidade. A obesidade não só acarreta problemas estruturais , ela também pode provocar outros problemas de saúde e até mesmo levar a anemia. "Os cães idosos têm tendência de acumularem mais gordura. Esta gordura também se infiltra na medula, que é a responsável por criar as células vermelhas no sangue (que são as células que carregam e distribuem o oxigênio no organismo), as células brancas (que combatem as infecções, etc.) e as plaquetas (que auxiliam a coagulação). Se a medula é substituída por gordura de modo exagerado, o cão pode tornar-se anêmico. Esta é uma das razões pelas quais é recomendado que os cães façam um exame completo de sangue como parte de seu check-up anual. (fonte: Jornada do conhecimento Tecsa - Tecsa diagnóstico pet).
 A alimentação deve ser adaptada as carências de cada individuo, pois apesar de raramente ser suficiente para curar uma patologia , pode impedir a sua evolução. Uma alimentação equilibrada e bem adaptada pode prolongar muito a vida do animal. Deve-se ter em mente que a velhice não significa necessariamente um cão abatido e que a idade não deve ser o critério principal numa dieta. Por exemplo, um cão de 13 anos, que não tenha problemas de saúde pode comer uma dieta simples mas equilibrada , enquanto que um cão de seis anos que tenha diabete , insuficiência renal ou problemas cardíacos deve seguir uma dieta especial .
Com o envelhecimento, o cão passa a se comportar de maneira diferente, ficando mais quieto, com menos disposição e paciência e, algumas vezes, mais intolerante. No aspecto biológico, o animal idoso passa a ter maior dificuldade digestiva e perde, consideravelmente, a capacidade olfativa , são mais propensos a desenvolver doenças na gengiva e dos dentes, e isso muitas vezes pode ser doloroso, causando uma perda de vondade de comer. Alimentação adequada , consultas e exames clínicos de rotina e atenção a mudanças no comportamento do animal são cuidados que o especialista da geriatria veterinária recomenda a todos os donos de cães idosos.

Referencias:

 W.D. Cusick  - "What to feed an Alaskan Malamute"
http://www.wdcusick.com/AlaskanMalamute.html
 
O'Mal Alaskan Malamutes - "Feeding your Malamute"
http://www.omalmalamutes.com/omal/food.htm
O'Mal Alaskan Malamutes - "Golden Years" ( cães idosos )
http://omalmalamutes.com/omal/olddogs.htm
 
 Food Basics 101 - "Nutrition And Your Alaskan Malamute"
http://www.alaskan-malamutes.org/alaskan-malamutes-nutrition.htm
 
the Q&A Archives - "What kind of dog food is recommended for Alaskan Malamutes?"
http://www.faqs.org/qa/qa-16963.html
 
Wildpaw's Alaskan Malamutes Discussion Group - "Sensitive Stomach"
http://www.wildpaw.com/forum/index.php?showtopic=10969
 
Dogs NSW- "Feed your breed"
http://www.dogsnsw.org.au/resources/dogs-nsw-magazine/articles/nutrition/179-feed-your-breed.html
 
Enciclopédia Nossos Amigos Os Cães- Editora Planeta
Enciclopédia do Cão - Royal Canin - Editora Aniwa Publishing

Um comentário:

Anônimo disse...

vc é burro vei aprende escrever mano